R1b Iberian

  • 966 members

About us

About the R1b1a2 haplogroup (previously known as R1b1b2):

According to some hypotheses, haplogroups R1b1a2a1a1a (U106+) and R1b1a2a1a1b (P312+) would have spread through Europe from the Iberian Peninsula in the same migratory movement that carried the Beaker culture to the four corners of the continent, between 4,000 and 4,800 years ago. Sub-clade R1b1a2a1a1b4 (L21+) would have originated shortly afterwards. This project will analyze all individuals belonging to haplogroup R1b1a2 (including R1b1a2a1a1a, R1b1a2a1a1b and R1b1a2a1a1b4) who have genealogical origins in the Iberian Peninsula.

Sobre o haplogrupo R1b1a2 (no passado, conhecido como R1b1b2):

Segundo hipóteses, os haplogrupos R1b1a2a1a1a (U106+) e R1b1a2a1a1b (P312+) teriam se dispersado pela Europa a partir da Ibéria no mesmo movimento migratório que levou a cultura campaniforme aos quatro cantos desse continente, entre 4.000 e 4.800 anos atrás. O surgimento do ramo R1b1a2a1a1b4 (L21+) teria se dado pouco tempo depois. Este projeto analisará todos os indivíduos pertencentes ao haplogrupo R1b1a2 (incluindo R1b1a2a1a1a, R1b1a2a1a1b e R1b1a2a1a1b4) que possuam origens genealógicas na Península Ibérica. 

Saiba mais sobre nossos participantes e seus ancestrais em nossa página de resultados.

Sobre a Genealogia Genética:

De que consistem os testes de 12, 25, 37 ou 67 marcadores, comumente discutidos em Genealogia Genética? Esses números se referem a microssatélites que são úteis à genealogia por apresentarem taxas de mutação balanceadas, de forma que certa quantidade de resultados semelhantes no conjunto desses marcadores (microssatélites) indica um ancestral comum na varonia em tempos genealógicos - ou seja, após a adoção de sobrenomes na Europa, por volta dos anos 1.300.


Os marcadores - microssatélites, ou STRs na sigla em inglês - são passagens do cromossomo Y que apresentam repetição de bases (A,T,C,G). Cada marcador apresenta um número específico de repetições. Uma mutação aumenta ou diminui o número de pares de bases apresentado. Por exemplo, se o par de marcadores YCA II a e b costuma apresentar 19 e 21 pares de bases, respectivamente, uma mutação em YCA II a pode levar a 20 e 21 no par YCA II a e b. Os descendentes do indivíduo que apresentou essa mutação em YCAII terão os mesmos resultados entre si, e assim saberão que descendem de um mesmo ancestral.

Leia aqui uma introdução ao Guia Prático de Genealogia Genética.

Para saber mais sobre a Genealogia Genética, participe também de nosso grupo de discussão no Facebook e do fórum em GenealogiaGenética.com.